quarta-feira, junho 25, 2008

Mãos

- Mãos -
*
Tuas mãos operam milagres
Quando seguram minha nuca
Ao longo de um beijo demorado
Quando descem pelas minhas costas
Buscando meu corpo
Junto ao teu
São mãos mágicas
Que tocam meus seios
Que se transformam
Quando o orgasmo vem
Nessas mãos sábias
Despejo meu gozo
Meu prazer
De saber-te todo meu
Inteiro e entregue
Ao alcance das minhas mãos.
*
Glória - 25/06/2008

terça-feira, junho 24, 2008

Amante


- Amante -

*

Esta noite preciso me despir

Da pele de mulher

E vestir-me de amante

Sem pudor, sem pecado

Sem contenção

Ou limite.

Vou ser sua

De forma diferente

De maneira irreverente

Com desejo ardente

Fazer amor de amante

E adormecer em seu peito

Como mulher.

*

Glória - 24/06/2008

quarta-feira, junho 18, 2008

Prece

- Prece -

Sentia-se no fim da linha. Não conseguia vislumbrar nem um fio de esperança. Seus dias arrastavam-se, inutilmente, ao encontro do nada. Não via mais nenhum sentido em acordar, sair para o trabalho, voltar para casa, dormir, acordar, sair para o trabalho, voltar para casa.

Onde quer que fosse, sentia-se estupidamente só. Não sabia mais sorrir, não sentia mais prazer, nada mais a encantava. Só sentia dor. Uma dor que não se materializava, apenas doía.

Chegara à maturidade pensando saber tudo da vida. Mas na verdade nada sabia. Não sabia de onde vinha, para onde estava indo. Nem mesmo sabia se queria ir a algum lugar. Só queria que aquela dor findasse. Só queria fechar os olhos e não acordar mais.

Não conseguia perceber em que momento sua vida começara a ser um fracasso. Talvez já tenha nascido predestinada ao insucesso. Mesmo assim ela tentou.

Tentou ser feliz no amor; fracassou. Tentou ser uma profissional qualificada; foi pífia. Tentou ser amada; foi desprezada.

Precisava de ajuda. Carecia de carinho, de amor, de solidariedade. Mas quanto mais era rejeitada, mais escondia-se. Vestiu-se de armadura.

Ela podia conformar-se com qualquer coisa e só o amor de uma pessoa importava. Mas quando ela mais precisou dele, ele faltou em forma de punhal e acertou em cheio seu coração.

Ela sangrou, de olhos fechados, pedindo a Deus para nunca mais acordar.

*

Glória - 18/06/2008

sábado, junho 14, 2008

Desejo

No silêncio do meu quarto, quando você insiste em voltar aos meus pensamentos, eu me rendo. É tudo tão real, presente e vivo, que sinto seu corpo sobre o meu, e o meu sobre o seu. Valho-me da imaginação, da saudade, da vontade e só conto comigo mesma.

E ele vem...abundante, excitante, tomando meu corpo de assalto num arrepio profundo e num quase desfalecer. Não importa onde você esteja nessa hora. Meu desejo sempre traz você pra mim.

terça-feira, junho 10, 2008

Inevitavelmente meu

- Inevitavelmente meu -
*
Seu toque preciso
Em meu corpo nu
Desperta desejos
Incontroláveis
E loucos.

Sua voz macia
Em meu ouvido
Incita vontades
Inconfessáveis
E vorazes.

Seu olhar pedinte
Em meu corpo
Arranca palavras
Impublicáveis
E provocantes.

Seu corpo teso
Em mim
Revela sensações
E toca fundo
O intocável.
*
*
Glória - 10/06/2008