quarta-feira, outubro 22, 2008

Versos mudos

- Versos mudos -
*
Quando teus versos se calam
Meu coração se alerta
Fico a imaginar se caístes de amores
Por aquela outra que, vez em quando, vem te rondar.

Sei que ela te parece linda e sedutora,
Serena e prazerosa
Mas ela é possessiva e ciumenta
Só quer para longe te levar.

E uma vez em seus braços
Longe de mim para sempre estarás
E todas as donas de vida fácil vão chorar
De saudades de um grande sedutor.
*
*
Nota: a pequena cantora do vídeo é a romena Cleopatra Stratán, de 4 anos. Esta modesta poesia é dedicada ao meu querido amigo Iosif Landau (link no sidebar), que vai entender perfeitamente a letra da música e me desculpar, por não ter achado nada mais adulto na sua língua pátria.

quinta-feira, outubro 16, 2008

Puzzle

- Puzzle -
*
Meu coração está cheio de um vazio perturbador
Minha cama cansada da sua ausência
Meu corpo está pulsando de desejos
De lembranças que vivemos por entre lençóis.

Minha boca suplica pela sua sede
Que noutras noites em mim vinha se saciar
Em minha anatomia feminina, tal qual quebra-cabeças,
Você é e sempre será
A peça que falta para o encaixe perfeito.

segunda-feira, outubro 13, 2008

Meu homem

- Meu homem -
*
Meu homem é
Língua que me devora
Corpo que me possui
Verbo que me rima
Fantasia que me realiza
Pernas que me amarram
Boca que me engole
Olhos que me desnudam
Mãos que me tocam
Dedos que me percorrem
Prazer que me consome
Membro que me invade.

domingo, outubro 12, 2008

Mistério

- Mistério -
*
Tem dias que me sinto assim
Mistério sem pistas
Enigma sem solução
Cadeado sem chave
Equação sem fórmula
Teoria sem explicação
Labirinto sem saída
Extremo de emoções
Velocidade na contramão.

quarta-feira, outubro 08, 2008

Virtual

-Virtual -
*
Numa madrugada você veio
Invadiu meus ouvidos com palavras sedutoras
E arrancou de mim o improvável:
Orgasmos múltiplos
Prazeres intensos
Desejos inconfessáveis.

Senti seu desejo, mesmo que distante
Bebi suas palavras como néctar
Deixei-me envolver
E fiz amor com você.

Deixei que guiasse minhas mãos
Que conduzisse meu prazer
E juntos explodimos
Num êxtase sem fim.

quinta-feira, outubro 02, 2008

Reflexo

- Reflexo -
*
As palavras que saem da minha boca
Podem ser doces ou ácidas
Podem acarinhar ou ferir
Agradar ou machucar.

Elas simplesmente saem
Sem muito estudo, sem muito pensar
Fluem e refletem
Rebatidas no espelho que tenho
Dentro do coração.

Posso ser um anjo
Uma gueixa
Uma boneca
Ou um demônio.

Tudo vai depender das suas palavras.