quinta-feira, dezembro 25, 2008

O Natal

O Natal é para comemorar o nascimento de Jesus Cristo. Para ela sempre foi uma data para chorar os seus mortos. Ontem, enquanto preparava um chester - comprado para alimentar a data consumista - chorou de saudades. O alimento nas mãos, o coração faminto.

Suas saudades se potencializam nessas datas. A solidão nunca a incomodou e, por muitas vezes, foi escolha dela, querer a presença de ninguém. Ontem, não esteve sozinha. Sua mãe cozinhou para ela através das suas mãos; seu pai esteve ali, sentadinho, tomando sua cerveja e olhando-a com seus olhinhos miúdos.

Fechou os olhos várias vezes, trazendo-os de volta. Relembrou os Natais da sua infância, os presentes, a árvore enfeitada, o cheiro bom do assado sendo preparado para a grande ceia, os risos, a música, a confraternização, a família.

Imagens que iam e vinham como uma onda, um sussurro. Sensações adormecidas na sua memória. O colo da mãe, o carinho do pai, a alegria inocente de uma criança.

Ela foi feliz um dia.